Midierson Maia, fundador da Internucleos / Foto: Juca Rodrigues

Pesquisador pela USP lança startup para melhorar produtividade acadêmica

Startup auxilia na criação de artigos acadêmicos.
Conteúdo protegido contra plágio Share:

Não há dúvidas de que a gestão do tempo e a adoção de ferramentas adequadas de produção e compartilhamento do conhecimento são habilidades necessárias para o progresso de um cientista. Mas o dia a dia dos espaços acadêmicos, as exigências formais e as cobranças podem, facilmente, tornarem-se impedimentos e entraves para resultados rápidos e acessíveis a um grupo grande de pessoas.

Não há dúvidas de que a gestão do tempo e a adoção de ferramentas adequadas de produção e compartilhamento do conhecimento são habilidades necessárias para o progresso de um cientista. Mas o dia a dia dos espaços acadêmicos, as exigências formais e as cobranças podem, facilmente, tornarem-se impedimentos e entraves para resultados rápidos e acessíveis a um grupo grande de pessoas.

Não há dúvidas de que a gestão do tempo e a adoção de ferramentas adequadas de produção e compartilhamento do conhecimento são habilidades necessárias para o progresso de um cientista. Mas o dia a dia dos espaços acadêmicos, as exigências formais e as cobranças podem, facilmente, tornarem-se impedimentos e entraves para resultados rápidos e acessíveis a um grupo grande de pessoas.

Estruturada para otimizar esses processos e eliminar algumas das dificuldades que todo pesquisador enfrenta, surgiu a Internucleos, com o propósito de se transformar num grande ecossistema de produção de conteúdo, baseado em pesquisa científica.

Criado e gerido pelo empreendedor, doutor e professor da Universidade de São Paulo (USP), Midierson Maia, o sistema, disponível desde julho deste ano, é fruto de experiências pessoais durante a pós-graduação.

Midierson Maia, fundador da Internucleos / Foto: Juca Rodrigues
Midierson Maia, fundador da Internucleos / Foto: Juca Rodrigues

“Todo estudante de pós-graduação enfrenta uma série de pressões, para escrever, publicar artigos e participar de eventos científicos. Nosso sistema permite produzir um documento com economia de até 30% do tempo”, ressalta.

Essa redução no tempo e as funcionalidades do sistema estão disponíveis a professores, estudantes e pesquisadores de diversos níveis, de acordo com as necessidades de cada um. Além disso, Internucleos, por ter a capacidade de reunir grande número de pesquisadores, torna-se um ambiente de profícua troca de conhecimento e contato entre cientistas do mundo todo, além de trabalhar para inibir práticas ilegais, como o plágio.

Formatação

Um dos obstáculos que todo pesquisador enfrenta diz respeito à formatação dos trabalhos de acordo com as normas técnicas, o que leva tempo e pode ser ainda mais difícil se for necessário adaptar-se às normas internacionais. Para facilitar, na Internucleos, conforme o pesquisador descreve, o próprio sistema realiza a formatação, seja de acordo com as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas, usadas pela maioria das publicações e universidades nacionais), no sistema Vancouver (desenvolvido por editores dos principais periódicos internacionais, sobretudo na área de ciências naturais e da saúde) ou APA (American Psychological Association, modelo bastante utilizado internacionalmente por revistas científicas e em publicações derivadas de eventos).

Todo o trabalho do pesquisador fica gravado na nuvem da empresa e, por isso, pode ser acessado de qualquer lugar, a qualquer hora. A chance de perder documentos e informações é praticamente nula.

Internucleos

“O sistema está sendo dinamizado para que, no momento em que o pesquisador finalizar seu trabalho, tudo esteja pronto para ser enviado ou impresso, sem que haja a necessidade de qualquer formatação”, explica Maia.

Além de textos científicos, formatados no sistema previsto para revistas científicas ou congressos, o pesquisador poderá produzir livros impressos ou digitais (e-books). Para isso, o sistema mantém uma parceria com a editora Megalocal, que executa os trâmites de registro e editoração das publicações.

Ecossistema de pesquisa

Para se transformar num grande ecossistema de pesquisa, propício à interação e à difusão do conhecimento, a Internucleos contará com grande número de pesquisadores de alta qualificação, referenciada por órgãos e instituições de fomento. Para cada área do conhecimento, cientistas, professores e pesquisadores serão convidados e terão acesso gratuito ao sistema.

Roberto Kalili / Foto: Juca Rodrigues
Roberto Kalili / Foto: Juca Rodrigues

Além deles, o sistema estará disponível a qualquer estudante de mestrado ou doutorado que queira participar do ambiente, desfrutando de todas as funcionalidades. Nesse caso, o aluno pagará uma pequena mensalidade. O sistema não cobra nenhuma taxa de pesquisadores, professores e cientistas ligados a renomados programas de pós-graduação stricto sensu no Brasil e no mundo.

Para os professores orientadores, além de propício à interação com outros pesquisadores, o sistema funciona como um ambiente virtual de aprendizagem. Isso porque é possível usar funções para fazer correções e anotações nos materiais enviados pelos alunos, incluindo Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC), funcionalidade útil sobretudo à graduação e à pós lato sensu.

“Todo texto inserido na Internucleos está protegido contra plágio”, explica Roberto Kalili, desenvolvedor da plataforma e diretor de TI da empresa. São permitidas apenas cópias de até 4 mil caracteres, para serem utilizadas como citações. Além disso, quando alguém copia um trecho e o insere em outro documento, dentro ou fora do sistema, automaticamente, é gerada uma referência bibliográfica.

“Todo professor-orientador, principalmente de um TCC de graduação, tem dificuldade para identificar plágios e monitorá-los. Se o trabalho estiver sendo produzido no ambiente da Internucleos, essa dificuldade não existe, pois o aluno não consegue copiar longos textos para colocar no software”, explica Maia.

Como o sistema é um facilitador para professores e alunos, ele é oferecido também a universidades e faculdades particulares que podem adquirir uma licença e disponibilizar a turmas de estudantes.

Integração

A Internucleos está integrada a outros sistemas de informação científica. O pesquisador, ao ingressar, poderá, por exemplo, importar todas as informações do Currículo Lattes. Além disso, no caso de universidades, uma senha será disponibilizada para que secretárias possam fazer atualizações, incluir informações como participações em eventos e bancas. Os pesquisadores e as instituições podem ainda utilizar o sistema para gerar certificados para eventos que organizem.

De acordo com a produção e das atividades do pesquisador no sistema, é atribuída de uma a cinco estrelas. Esse método permitirá fazer um ranqueamento entre a produção na Internucleos e outros indicativos de produção científica, como o Google Scholar. “Com todas essas funcionalidades e pesquisadores altamente qualificados interagindo entre si, queremos criar condições e facilidades para a produção e para a criação de um ecossistema de pesquisa atualizado e que acompanhe a evolução tecnológica”, completa o idealizador e gestor da plataforma.

A Internucleos, desde o lançamento, coloca-se no mercado como uma empresa aberta à inovação e às tendências, sobretudo no que diz respeito ao avanço da pesquisa científica, o que envolve também processos que tornem mais rápido e acessível o desenvolvimento de estudos e a interação entre pesquisadores de diversos locais e níveis.

Por Elisandra Berti

error: Content is protected !!