Foto: iStock

De barco e em direção ao futuro

Artista plástica brasileira cria rede mundial de conexões.
Conteúdo protegido contra plágio Share:

Todos os negócios ligados à Torus são produtos, projetos e serviços relacionados a pessoas que usam habilidades para construir seu próprio legado nas áreas de sustentabilidade, inovação, artes, ciência e tecnologias inteligentes. Tudo isso aliado à felicidade de serem quem são, como pessoas e como profissionais.

Todos os negócios ligados à Torus são produtos, projetos e serviços relacionados a pessoas que usam habilidades para construir seu próprio legado nas áreas de sustentabilidade, inovação, artes, ciência e tecnologias inteligentes. Tudo isso aliado à felicidade de serem quem são, como pessoas e como profissionais.

É fim de tarde e os estorninhos, pequenos pássaros que vivem em bandos no Norte da Inglaterra, organizam-se na chamada murmuração. Não se trata apenas de uma cantoria ou de um barulho característico pela batida sincronizada das asas de centenas ou milhares dessas aves. É mais que isso: como num balé, antes do descanso após um dia inteiro de caça ao alimento nos dias de inverno, eles se conectam em movimentos leves e  coreografados. Também não se sabe ao certo o que faz com que esses pássaros iniciem tal dança, mas físicos e biólogos acreditam que cada um, ao se movimentar, estimula outros sete a fazerem o mesmo ao seu redor, numa progressão contínua. Em pouco tempo, os sete transformam-se em 49, os 49 em outros milhares e, assim, cria-se um espetáculo nos céus. Tornam-se também mais fortes e facilmente espantam os falcões, principais predadores da espécie, rápidos no voo e até quatro vezes maiores.

Foto: iStock

Mais ou menos usando os pássaros como metáfora para a vida, a artista plástica Maria Luiza Knoblauch, ou simplesmente Mariak, como é conhecida, inspirou-se para criar a holding Torus Legacy. O objetivo é conectar pessoas no mundo inteiro em torno da melhoria que as tecnologias, quando associadas à potencialidade humana, podem trazer. Em mente, a ideia de que, assim como um conjunto de estorninhos, juntas, as pessoas podem fazer melhor e com mais impacto social.

“Todos os negócios ligados à Torus são produtos, projetos e serviços relacionados a pessoas que usam habilidades para construir seu próprio legado nas áreas de sustentabilidade, inovação, artes, ciência e tecnologias inteligentes. Tudo isso aliado à felicidade de serem quem são, como pessoas e como profissionais”, explica Mariak.

Assim, a proposta da holding é oferecer aos participantes conexões e interações para que, ao compartilhar experiências e serviços, os envolvidos cresçam exponencialmente a partir de um grande ecossistema que conta com participantes no mundo todo.  A sede da Torus está num dos locais mais prósperos do planeta, em Masdar City (Abu Dhabi) e filial em Dubai, nos Emirados Árabes, local pelo qual Mariak se apaixonou desde a primeira visita. Coincidentemente, neste ano, comemoram-se 100 do nascimento do Sheik Zayed bin Sultan Al Nahyan, considerado o pai e fundador dos Emirados. A proposta é que até 2071, quando será comemorado o centenário do país (Área 2071), o foco seja a criação de propostas positivas, que aliem transformação social, sustentabilidade e tecnologia, com impacto global.

“Pretendemos criar aqui o que queremos viver no futuro e, ao mesmo tempo, construirmos um legado para as futuras gerações”, explica Mariak

Um dos principais projetos da Torus Legacy é o Ministério dos Legados, que conecta governo, sociedade e empresas que queiram fazer com que suas atividades apoiem as pessoas, promovendo a evolução e a proteção do planeta. Como diz Mariak, “é preciso juntar os sonhos de cada um com as necessidades dos governos”.

Para dar forma a esse cruzamento, surgiram os projetos Artificial Intelligence Forest Heritage e Artificial Intelligence Legacy Tree. Por meio deles, a Torus disponibiliza uma árvore de inteligência artificial que cruza oferta e demanda. “A ideia é que as pessoas possam ter essas árvores e ali colocarem as informações que desejarem. Assim, teremos uma grande rede social”.

No futuro, a proposta é que essas pessoas se tornem uma espécie de madrinhas e padrinhos de árvores numa floresta real. “Será uma grande conexão de pessoas que fazem a diferença nos Emirados. Teremos toda a parte da inteligência artificial, realidade aumentada, óculos de realidade virtual, possibilitando uma experiência imersiva dentro da floresta, ao mesmo tempo em que é possível conhecer o legado das pessoas”, planeja a artist a plástica.

Maria Luiza Knoblauch
Mariak, artista plástica, pilotando seu barco, em Dubai. / Foto: Juca Rodrigues

Com isso, o espaço natural se transforma em uma grande experiência imersiva, um parque temático com as tecnologias que existem. Entre elas, Mariak cita a possibilidade de fazer com que as árvores troquem de cor, de acordo com a reação das pessoas, por meio de lâmpadas de LED, e até mesmo que as plantas toquem música usando para isso ondas eletromagnéticas. Além disso, esses projetos estão relacionados com temas de grande importância ambiental, como o aquecimento global e pesquisas com relação ao impacto das invenções no meio ambiente, sem contar a preocupação com a água e até a pesquisa e o desenvolvimento de ervas medicinais.

Para reunir os interessados, Mariak abre, inclusive, o espaço de sua própria casa, que também se converte em escritório e, futuramente, será um estúdio para gravação de materiais que possam difundir as ideias e as propostas da Torus. O próprio jeito escolhido para viver já é um exemplo de inovação, inventividade e sustentabilidade, já que ela vive num barco, onde pode receber quem precisa fazer conexões a partir da proposta da holding.

“Eu tenho um projeto de um dia dar a volta ao mundo pelos oceanos. Mas eu queria ter uma casa em que eu pudesse, ao mesmo tempo, falar do meu trabalho, usar materiais sustentáveis e relacionar tudo isso com design. Além disso, o barco me permite estar mais próxima do lugar que mais amo, que é a natureza”.

Para facilitar o acesso a quem precisa de conexões e se identifica com o trabalho dela, Mariak mantém outros escritórios em áreas estratégicas dos Emirados. O outro importante segmento do trabalho diz respeito a uma adaptação daquilo para o que estudou e se formou. Ela trabalha com projetos de concept design, design de interiores, paisagismo e modelos sustentáveis de negócios.

Assim, a partir do que sabe fazer e do desejo de fortalecer as potencialidades humanas, ela tornou-se uma fonte de alianças para arquitetos, empreendedores, fornecedores, empresários e investidores na criação de iniciativas sustentáveis visando o futuro. Com essa atividade e proposta, Mariak já conseguiu, inclusive, implantar projetos nos Emirados Árabes envolvendo parcerias com empresas brasileiras. Com atividades que, aos poucos, tornam-se globais, a Torus Legacy é uma prova de que o futuro não será uma distopia se as potencialidades humanas forem trabalhadas e se as tecnologias forem usadas dentro de propósitos que considerem as características da vida em sociedade, conectando pessoas, conhecimentos e regiões geograficamente distantes.

O ano de 2071, para usar a proposta dos Emirados, ou o próximo século, já estão mais próximos do que se pensa e esse futuro já tem seus pilares sendo erguidos.

Por Fabiano Ormaneze

error: Content is protected !!