Matérias

Na contramão do que muita gente pode pensar, a future thinker Ligia Zotini Mazurkiewicz acredita que a próxima grande revolução será moral e liderada pelas crianças que, atualmente, estão nos nossos lares, em nossos colos.
Imagine viver num lugar onde não existem regras, convenções ou punições de qualquer natureza. No universo de Westworld, série produzida e exibida pela HBO desde 2016, um grupo de pessoas convive com androides super avançados que simulam as emoções humanas, o que gera a dúvida sobre “quem é o quê” dentro daquele mundo. Baseada no filme homônimo lançado em 1973 pelo roteirista Michael Crichton, criador de sucessos como a franquia Jurassic Park (1990) e o drama médico ER (1994), o enredo complexo e cheio de reviravoltas, além do elenco de nomes conhecidos, cativou o público que tornou a série um sucesso de audiência e crítica. Mas o que é possível inferir sobre tamanho sucesso e os indícios de futuro nele contidos?
O século XXI marca um tempo em que velhos modelos são abalados. As antigas estruturas parecem já não mais fazerem sentido. No século XXI inovação é palavra de ordem.  Apesar das mudanças serem perceptíveis em um determinado nível, há um outro nível que passa muitas vezes desapercebido: o nível da transformação cultural, o qual abarca valores e significados, e afeta consideravelmente os desejos dos indivíduos.
No mundo da pós-verdade, onde Donald Trump é um dos homens mais poderosos do mundo, um debate que vem tomando a mente das pessoas é sobre a real influência das redes sociais online e seus fluxos de conteúdo em nossas tomadas de decisão como, por exemplo, o voto.
A evolução tecnológica e as mudanças comportamentais delas derivadas trazem não só o desafio de preparar crianças e jovens, como também o de propor uma educação que prepare os adultos para a clareza de riscos e a necessidade de construção conjunta do futuro e permitam uma atitude mais consciente dos processos de inovação.
Há pouco mais de dez anos, surgia no bairro do Capão Redondo, periferia da capital paulista na zona sul, e um dos mais carentes da cidade, o projeto Fábrica de Criatividade. Criada pelo empreendedor Denilson Shikako, de 34 anos, – que cresceu na região e se formou em Computação e em Música – a consultoria de inovação nasceu em 2007 e funciona até hoje na mesma sede. Atualmente, atendendo grandes empresas do País, ainda mantém projetos sociais na região, sempre com a motivação de criar e o desejo de transformar.
error: Content is protected !!