Matérias

O avanço da tecnologia, além de possibilitar um olhar para o que pode ocorrer no futuro, prevendo possibilidades e desafios, leva o psicanalista Christian Dunker, professor da Universidade de São Paulo (USP) e um dos mais celebrados profissionais da área no País, a buscar na História alguns passos para a compreensão do sujeito e para a identificação de novas formas de sofrimento, que se associam às transformações pelas quais o mundo passa na relação entre Ciência, Técnica e Ética.
Desburocratizar a relação entre universidade e mercado, facilitar o apoio financeiro ao desenvolvimento de projetos em inteligência artificial e possibilitar que o conhecimento sobre IA atinja mais pessoas e áreas da sociedade. Esses são três objetivos do Center of Excellence in Machine Learning (CoE-ML), coordenado pelo diretor do Núcleo de Computação Científica da Universidade Estadual Paulista, professor Sérgio Novaes.
Durante sua conferência para desenvolvedores, realizada em maio, na cidade de Mountain View, Califórnia (EUA), o Google apresentou um pacote de anúncios impressionantes, como se não se via há tempos no Vale do Silício. Entre as tecnologias anunciadas, teve destaque a assistente da empresa, que ganhou seis novas vozes em inglês.
Imagine viver num lugar onde não existem regras, convenções ou punições de qualquer natureza. No universo de Westworld, série produzida e exibida pela HBO desde 2016, um grupo de pessoas convive com androides super avançados que simulam as emoções humanas, o que gera a dúvida sobre “quem é o quê” dentro daquele mundo. Baseada no filme homônimo lançado em 1973 pelo roteirista Michael Crichton, criador de sucessos como a franquia Jurassic Park (1990) e o drama médico ER (1994), o enredo complexo e cheio de reviravoltas, além do elenco de nomes conhecidos, cativou o público que tornou a série um sucesso de audiência e crítica. Mas o que é possível inferir sobre tamanho sucesso e os indícios de futuro nele contidos?
Novos negócios, conectados com as necessidades do mercado. Criatividade. Segurança para quem investe e para quem cria. Esses três ingredientes são a base da Leo & Co , startup criada neste ano pelo economista Leonardo Winocur, em São Paulo. A proposta é oferecer segurança para quem tem como investir em novos empreendimentos e facilitar a captação de recursos para quem precisa encontrá-los. Tudo isso pensando também em novos tipos de negócios que o mundo contemporâneo tem feito surgir.
A evolução tecnológica e as mudanças comportamentais delas derivadas trazem não só o desafio de preparar crianças e jovens, como também o de propor uma educação que prepare os adultos para a clareza de riscos e a necessidade de construção conjunta do futuro e permitam uma atitude mais consciente dos processos de inovação.
error: Content is protected !!